quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

ODONTOLOGIA NA GRAVIDEZ - Atendimento a Gestantes


PROTEÇÃO CONTRA RADIAÇÕES

Em tratamentos odontológicos, onde a avaliação radiográfica se faz necessária, deve-se utilizar avental de chumbo e protetor de tireóide; técnica precisa, uso de películas que necessitem menor tempo de exposição e soluções de processamento novas e limpas que auxiliam para que não sejam necessárias repetições de radiografias.

EXTRAÇÕES DENTÁRIAS

Procedimentos eletivos, como extrações de dentes retidos e para tratamentos ortodônticos devem ser protelados para após o parto, evitando assim o desconforto trans e pós-operatórios neste período tão delicado da mulher.

A RELAÇÃO ENTRE DOENÇAS GENGIVAIS E NASCIMENTO DE BEBÊS PREMATUROS COM BAIXO PESO

As gestantes portadoras de doença periodontal podem estar com sete vezes mais riscos de nascimento de um bebê prematuro e abaixo do peso normal.

Uma possível ligação entre infecção da gengiva e nascimento de bebês prematuros e abaixo do peso foi identificada em pesquisa conduzida por uma equipe de periodontistas, ginecologistas/obstetras e epidemiologistas da Universidade da Carolina do Norte, nos EUA.

O aumento de sangramentos e fluidos gengivais e freqüentemente observado em gestantes e pode ser atribuído às mudanças hormonais e vasculares. Mesmo assim, devemos avaliar se não está havendo um maior descaso com a higiene oral.

O granuloma gravídico, que se apresenta como um crescimento localizado da gengiva, tem incidência entre 2 a 5% das gestantes. Ocorre como resposta exagerada a um agente irritante local ou trauma, localizando-se com maior freqüência na maxila, principalmente na região interdentária dos dentes anteriores. Tem a tendência de regredir espontaneamente a partir do 8º mês pela queda dos hormônios gestacionais.

O tratamento de bolsas periodontais deve ser iniciado após o tratamento supragengival e quando a paciente apresentar-se apta à realização de uma boa higiene bucal, exceto em urgências como abscessos. Cirurgias periodontais eletivas devem ser proteladas para após o parto.

RESTAURAÇÕES DENTÁRIAS

O tratamento restaurador definitivo é bem indicado em casos de paciente com atividade de cárie controlada ou problemas estéticos. Na presença de atividade cariogênica intensa, podemos optar por tratamento de adequação do meio bucal com cimento de ionômero de vidro, utilizando a técnica de restauração atraumática, para que a paciente tenha tempo para modificar seus hábitos.

TRATAMENTOS DE CANAL

Sempre que possível deve-se optar por tratamentos conservadores da polpa. A endodontia completa poderá ser realizada por profissionais experientes ou ser protelada para após o parto.

PRÓTESES

O tratamento protético pode ser realizada de forma provisória, evitando o inconveniente das moldagens e o longo tempo de atendimento.

USO DE MEDICAMENTOS PARA PROBLEMAS DENTÁRIOS

Anestésicos
Para os procedimentos odontológicos em pacientes gestantes, o anestésico mais seguro é à base de lidocaína com adrenalina. Para gestantes cardíacas recomenda-se anestésicos à base de lidocaína sem adrenalina. O uso de dois tubetes por sessão é bastante seguro.

Analgésicos
Os analgésicos do grupo do paracetamol são os mais seguros na gestação.

Antibióticos
Os antibióticos do grupo das penicilinas são seguros para pacientes que não apresentam alergias a este fármaco. Para pacientes alérgicas à penicilinas, utiliza-se a eritromicina do grupo estearato.
Antibióticos do tipo metronidazol e tetraciclina não podem ser utilizados durante a gestação nem amamentação.

Antiinflamatórios
Os antiinflamatórios não são recomendados durante a gestação.

Colutórios bucais
O uso de triclosan para a redução de inflamações gengivais pode ser administrado em bochechos três vezes ao dia. A clorexidina só deve ser prescrita no caso da paciente não apresentar condições motoras para a higienização oral mecânica.