quinta-feira, 5 de janeiro de 2012

Hipersensibilidade Dentinária

É quase como levar um choque!
Ao menor contato dos dentes com uma superfície gelada ou quente demais, a dor dá um susto no dono da boca, que refuga antes de concluir a mordida. Estima-se que essa reação, chamada pelos especialistas de hipersensibilidade dentinária, atinja mais de 50 milhões de pessoas no Brasil.

Por que dói?
O desgaste do esmalte ou a retração da gengiva deixam exposta uma camada chamada dentina. Ali, existem pequenos túneis, os túbulos dentinários, que se prolongam até a polpa do dente, onde ficam os vasos e nervos. Abertos, esses tubos levam estímulos externos diretamente aos nervos, provocando a dor.

Muitas vezes, o tempo se encarrega de abrandar essas dores de dente e até dar sumiço nelas. A tendência é que pessoas mais velhas não sintam tanto incômodo, porque o próprio organismo vai fechando os túbulos dentinários, lentamente. Mas, como o processo é vagaroso e ninguém quer viver com dor de dente até lá, vale conversar com seu dentista sobre os tratamentos disponíveis. 

Soluções:

Nos últimos anos, o laser de baixa potência surgiu como uma alternativa na redução da hipersensibilidade. É que esse feixe de luz tem ação analgésica e anti-inflamatória, além de acelerar a deposição de dentina. O efeito é super-rápido: na primeira aplicação já se nota a diferença.

Quando a hipersensibilidade é provocada pela retração da gengiva e a raiz dos dentes fica exposta, dá para fazer uma cirurgia de recobrimento, para colocar a gengiva no lugar de onde não deveria ter saído. O porém é o pós-operatório, que pode ser um tanto doloroso. Sem contar que, dependendo do que causou o deslocamento da gengiva, ela poderá se retrair de novo. 


Outros dois procedimentos se destacam no arsenal dos dentistas contra a dor dos dentes sensíveis. Um deles, mais simples, é a aplicação de géis e vernizes com flúor, mineral que ajuda na remineralização dentária. Em alguns casos, no entanto, é necessário recorrer à restauração, que cria uma barreira de resina ou de outro material no local exposto.


Quanto às famosas pastas dessensibilizantes, a eficácia delas varia — pergunte a duas pessoas sobre sua experiência e não se espante se as respostas forem divergentes. A maioria contém nitrato ou citrato de potássio, que bloqueiam o estímulo nervoso da dor. Realizam o vedamento dos túbulos dentinários, impedindo que o frio, o calor e a acidez ocasionem uma pressão nas terminações nervosas no interior do dente.

Outra maneira de prezar pela saúde dos seus dentes é escová-los de maneira adequada – uma escovação vaivém, dessas que a pessoa esfrega a escova nos dentes no sentido horizontal, é uma das principais causas da reatração - e fazer bochechos com enxaguatórios que contêm flúor. Quanto mais forte a dentição estiver, menos desgastes — e menos dor — sofrerá.