sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

Cirurgia Ortognática

Você se considera bonito? Ou melhor, quais parâmetros você avalia antes de julgar se alguém é bonito? Pode-se definir beleza como um estado de harmonia e equilíbrio das proporções faciais, estabelecidas pelas estruturas esqueléticas, pelos dentes e pelos tecidos moles. A simetria está diretamente relacionada a beleza. Graus suaves de assimetria facial são encontrados normalmente na população em geral e usualmente não são perceptíveis esteticamente ou funcionalmente. Desta forma, as assimetrias tornam-se importantes quando afetam a função e/ou estética do paciente.
As deformidades dento-faciais afetam aproximadamente 20% da população, podendo os pacientes com estas discrepâncias apresentarem vários graus de comprometimento funcional e estético. Assim, malformações podem surgir isoladamente em um maxilar ou podem se estender para diversas estruturas crânio-faciais. Elas podem ocorrer uni ou bilateralmente e podem ser expressas em graus variados nos planos faciais vertical, horizontal e transversal (FONSECA et al., 2000). Vários fatores durante a fase de crescimento do indivíduo podem causar discrepâncias de tamanho, posição e forma das estruturas envolvidas: funcionais, esqueléticos, dentários ou a junção de todos. O diagnóstico dessas deformidades deve basear-se na anamnese, avaliação da história médica e odontológica prévia, exame clínico e radiográfico, análise de modelos, idade óssea e, em casos específicos, além de outros exames complementares como a cintilografia óssea. (FONSECA et al., 2000). Diante das inúmeras características que alteram o sistema estomatognático e suas funções como mordida, mastigação, deglutição, respiração, fonação e articulação e ainda a estética, pacientes que apresentam desproporções maxilomandibulares recorrem a um meio eficiente de tratamento, que é a cirurgia ortognática. A cirurgia ortognática é assim denominada por constituir-se de técnicas de osteotomias realizadas no sistema mastigatório com o objetivo de corrigir as discrepâncias maxilares e, por conseguinte, estabelecer o equilíbrio entre a face e o crânio. Pessoas com desarmonias faciais enquadram-se em um dos seguintes grupos:

Grupo I: Caso puramente ortodôntico, não há discrepância esquelética! O tratamento é feito basicamente com alinhamento e nivelamento dos arcos ou ainda com a técnica de stripping (desgaste interproximal dos dentes visando ganho de espaço). Eventualmente há uma correção na curva de Spee.

Grupo II: Apresenta discrepância óssea leve ou moderada, borderline cirúrgico. O paciente tem padrão facial e esquelético levemente alterado e oclusão alterada. O tratamento pode ser realizado com ortodontia ou com ortognática.

Grupo III: Há grande discrepância esquelética, tratamento ortocirúrgico sempre. Características: discrepâncias ósseas moderadas a severas, mal oclusão compensada instalada, dificuldade mastigatória, estética, fonéticas e respiratórias, comprometimento psicológico.

O sucesso do tratamento depende da identificação da etiologia primária e de um tratamento conjunto aliando a ortodontia e a cirurgia. Deve haver uma cumplicidade entre paciente e profissionais para que o objetivo proposto seja alcançado.

A cirurgia ortognática é um tratamento que não se resume apenas ao ato cirúrgico e sim a um trabalho prévio de preparação de 18 a 24 meses, onde estará incluído o tratamento ortodôntico, fonoaudiológico e psicológico. Realizada a cirurgia, segue o tratamento ortodôntico por mais 8 a 12 meses para os ajustes finais e o acompanhamento dos outros profissionais por tempo indeterminado.

Algumas perguntas frequentes:

Qual é a melhor idade para realização do tratamento cirúrgico?

A cirurgia ortognática é normalmente realizada durante a adolescência ou na fase de idade adulta. Contudo, ela poderá ser realizada em crianças portadoras de grandes deformidades.

Quanto tempo leva a cirurgia?

Normalmente uma cirurgia de mandíbula ou maxila isoladas levam de 2 a 4

horas. Procedimentos combinados maxilo-mandibulares requerem mais tempo, em torno de 5 a 6 horas de cirurgia.

Quanto tempo será necessário para voltar a comer normalmente?

Os procedimentos cirúrgicos envolvem uma situação de nova posição dos dentes e de sua manutenção por meio de anéis e elásticos. Esta situação é mantida até a cicatrização óssea, que ocorre entre 6 e 8 semanas. Ao final deste prazo o paciente pode voltar ao regime normal de alimentação. Durante os primeiros dias, o paciente recebe apenas alimentos líquidos.

O rosto fica muito edemaciado após a cirurgia?

Isso varia muito de paciente para paciente e geralmente é maior nos procedimentos envolvendo a mandíbula. Após 3 semanas ocorre a total regressão do quadro.

A cirurgia ortognática é um procedimento que pode promover uma melhora de modo significativo na qualidade de vida das pessoas portadoras de deformidades dentofaciais, melhorando a auto-estima, mastigação e fonação. Entretanto, complicações podem ocorrer, sendo as principais de ordem física e psicológica. A parestesia e a dificulde em ajustar-se com a nova aparência são as mais comuns. Portanto, é recomendável que o cirurgião e o ortodontista discorram o mais detalhadamente possível sobre os dados envolvendo casos orto-cirúrgicos.